No Paraná, vereadores presos não devem receber salários | SarandiPR.com

publicidade - anuncie neste espaço

No Paraná, vereadores presos não devem receber salários

Por determinação do TCE-PR (Tribunal de Contas do Estado do Paraná), vereadores estão presos não devem receber subsídios. A medida atinge a prisões temporárias ou preventivas.

Na última sexta-feira (20), as 399 Câmaras Municipais do Paraná foram intimadas sobre a liminar expedida pelo presidente do Tribunal, conselheiro Durval Amaral, que proíbe o pagamento. A medida também fixa penalidades caso seja descumprida.

Em Foz do Iguaçu, onde cinco vereadores se encontram detidos, a intimação foi feita pessoalmente pelo assessor jurídico da Presidência, Cláudio Henrique de Castro, ao presidente interino da Câmara Municipal, vereador Rogério Quadros. As Câmaras de Quedas do Iguaçu e Itaipulândia, que ficam na mesma região, também foram notificadas pelo servidor do TCE-PR.

Em caso de descumprimento, a liminar estabelece a restituição dos valores aos cofres municipais, além da aplicação de multa no valor de 30 vezes a Unidade Padrão Fiscal do Estado do Paraná (UPF-PR) para cada ato administrativo de pagamento a vereador que se encontrar detido. Em janeiro, a UPF-PR está fixada em R$ 94,97 e a multa em questão corresponde a R$ 2.849,10.

Coube à Coordenadoria de Fiscalização Municipal (Cofim) intimar a todos os ordenadores de despesas das Câmaras Municipais para que não efetivem pagamentos a vereadores (incluindo eventualmente presidentes de Câmaras) que se encontrem presos. O controle dos pagamentos de subsídios aos vereadores será feito por meio digital pela mesma unidade.

Impedimento

O Acórdão nº 2376/12 do TCE estabelece que “a impossibilidade de vereador desempenhar suas funções por força de decisão judicial que determinou a sua prisão, caracteriza impedimento temporário para o exercício do mandato, impondo a suspensão do pagamento de seu subsídio mensal por deliberação da Câmara Municipal, nos termos regimentais e da Lei Orgânica do Município, assegurado o exercício do direito de defesa”.

A posição do Tribunal sobre a questão foi formalizada em 2012, em resposta a uma consulta formulada pelo vereador Leonardo Bevilacqua Maito, então presidente da Câmara Municipal de Palmas (Sul do Estado). O relator da matéria, o então conselheiro Hermas Brandão (hoje aposentado), acompanhou as manifestações das unidades técnicas e jurídicas do TCE-PR e do Ministério Público de Contas (MPC-PR).

Assim, o relator votou pela impossibilidade de pagamento “dos subsídios (salário) a parlamentar que estiver detido temporária ou preventivamente por decisão de juiz de primeira instância, cuja decisão dependa de confirmação colegiada em decorrência de apelação criminal”.

Gostou deste artigo? Compartilhe com seus amigos! Curta as redes sociais do SarandiPR.com.

Assine ao newsletter do SarandiPR.com e receba notícias, ofertas e novidades em primeira mão. É grátis.

Os comentários não representam a opinião do SarandiPR.com, mas, sim, de seus autores. Os comentários serão moderados para que, assim, nenhum conteúdo de cunho ofensivo, racista ou preconceituoso seja publicado nesta plataforma. No mais, toda opinião é sempre bem vinda.

Comentários

Cite o SarandiPR.com ao reproduzir conteúdos do site.

WordPress / CC 4.0 - Faça uma doação.