A cadeia de Sarandi tá lotada, e não há luz no fim do túnel – SarandiPR.com

publicidade - anuncie neste espaço

A cadeia de Sarandi tá lotada, e não há luz no fim do túnel

Número de presos é 3,7 maior que o máximo permitido. Foto: Angelo Miloch / SarandiPR.com

Número de presos é 3,7 maior que o máximo permitido. Foto: Angelo Miloch / SarandiPR.com

A tarde na cadeia pública de Sarandi foi de reunião. Dois presos “frente de galeria” e a chefia de carceragem discutiram pauta à fim de garantir melhorias para o cumprimento da pena nas celas superlotadas. São 171 detentos onde deveria haver no máximo 46.

Os “frente de galeria” são eleitos para representar os demais presos do “convívio”. No pátio, o anseio por novidades tem trilha sonora: Facção Central. Todos esperam o “bonde”, a transferência para um presídio, na linguagem da cadeia.

A lei proíbe a permanência de presos em delegacias, mas isso não impede o Estado do Paraná de manter 103 detentos já condenados na cadeia de Sarandi. Dos 171, apenas 54 são provisórios, segundo a carceragem.

A juíza daqui só sabe condenar, mas não autoriza transferência – criticou R., 31 anos, o “frente” da galeria 2, onde convive com outros 52 presos. O espaço tem quatro celas com quatro “jegas” (camas) cada, que são dividas por dois presos.

Essa cadeia é um barril de pólvora, então a gente pede essas reuniões com eles (carcereiros) para tentar amenizar para ambos os lados. Nossa vida não vale nada para ela, mas e as dos policiais? – questionou R.

Condenado por posse de arma, e preso desde novembro de 2015, R. se referiu à juíza da 1ª Vara Criminal de Sarandi. Essa é a segunda passagem dele pela cadeia de Sarandi. Em 2013 ele foi preso por homicídio.

Ao lado de R., J., de 22 anos, representa a galeria 1. Preso há um ano e dois meses, ele já foi condenado por latrocínio – agiu num roubo a joalheria de Sarandi, em novembro de 2015. Eles pedem “atenção” à “situação” da comida servida aos detentos nas datas festivas de fim de ano.

A reunião acaba. R. e J. retornam às galerias para informar aos demais sobre a conversa com a chefia de carceragem. Eles tem outra missão: garantir lugar para mais dois presos que acabaram de ser detidos pela PM (Polícia Militar) e Guarda Municipal, nesta quinta-feira (1). Ninguém foi transferido.

Presas também aguardam transferência. Foto: Angelo Miloch / SarandiPR.com.

Presas também aguardam transferência. Foto: Angelo Miloch / SarandiPR.com.

Corredor vira área comum na cadeia de Sarandi. Foto: Angelo Miloch / SarandiPR.com.

Corredor vira área comum na cadeia de Sarandi. Foto: Angelo Miloch / SarandiPR.com.

Superlotação

A crítica à superlotação da cadeia de Sarandi não é exclusiva dos presos. O delegado titular do município, Reginaldo Caetano, apontou que a não transferência prejudica, inclusive, o trabalho de investigação de crimes.

A Sesp (Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária) do Paraná reconheceu a superlotação nas delegacias do estado. “A Sesp acredita que a solução para o caso de superlotação é o início das obras de construção e ampliação (de presídios) – previstas para os próximos meses”.

Carcereiros e detentos buscam relação amistosa. Foto: Angelo Miloch / SarandiPR.com.

Carcereiros e detentos buscam relação amistosa. Foto: Angelo Miloch / SarandiPR.com.

A pasta também apostou no uso de tornozeleiras para detentos que tenham cometido crimes de menor potencial ofensivo. Leia, abaixo, a íntegra da nota da Sesp enviada ao SarandiPR.com:

“A Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná, assim como a direção da Polícia Civil e do Departamento de Execução Penal (Depen), estão cientes do problema de superlotação nas carceragens das delegacias do Estado. Importante salientar que já houve avanços: no início de 2011 a Polícia Civil gerenciava em torno 14.000 presos e hoje o número é de aproximadamente 9.500 presos.

A cúpula da segurança pública tem trabalhado para zerar o número de presos em delegacias. Semanalmente, o Comitê de Transferência de Presos (Cotransp), que conta com representantes do Poder Judiciário e do Ministério Público, autoriza a transferência de presos de delegacias para o sistema prisional. No entanto, as vagas só são abertas com a saída de presos e, para isso, é preciso autorização do Poder Judiciário.

Outro problema que resultou na superlotação foram três rebeliões ocorridas em 2014 e 2015 (PEC, PECO e PELII), que resultaram na perda de cerca de mil vagas nas penitenciárias. A Sesp acredita que a solução para o caso de superlotação é o início das obras de construção e ampliação – previstas para os próximos meses. Serão abertas cerca de 7 mil novas vagas com essas novas unidades prisionais.

Além disso, é uma alternativa a adoção das tornozeleiras eletrônicas para aqueles presos que cometeram crimes de menor potencial ofensivo e que passam a ser monitorados a partir do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária. O número de presos monitorados subiu de 500 no início de 2015 para mais de 3,5 mil este ano – uma eficiente política de desencarceramento.”

Gostou deste artigo? Compartilhe com seus amigos! Curta as redes sociais do SarandiPR.com.

Assine ao newsletter do SarandiPR.com e receba notícias, ofertas e novidades em primeira mão. É grátis.

Os comentários não representam a opinião do SarandiPR.com, mas, sim, de seus autores. Os comentários serão moderados para que, assim, nenhum conteúdo de cunho ofensivo, racista ou preconceituoso seja publicado nesta plataforma. No mais, toda opinião é sempre bem vinda.

Comentários

Cite o SarandiPR.com ao reproduzir conteúdos do site.

WordPress / CC 4.0 - Faça uma doação.