“Está feito”, diz genro, após morte de empresário português | SarandiPR.com

publicidade - anuncie neste espaço

“Está feito”, diz genro, após morte de empresário português

Uma ligação de 20 segundos e com apenas duas palavras levou a polícia a prender um médico de 64 anos suspeito de encomendar a morte do irmão, o empresário português Garcia Pereira Marques, 62 anos. Após o crime, o genro da vítima ligou para o mandante e disse: “está feito”.

Marques foi morto a tiros na noite de 30 de abril, na zona rural de Maringá. Na última quinta-feira (7), o irmão dele foi preso no bairro São Luiz, em Salto, no Estado de São Paulo, suspeito de planejar a morte do irmão.

O médico teve a prisão decretada após o genro da vítima, um homem de 32 anos, preso pela morte do sogro desde maio, informar em um novo interrogatório que ele teria oferecido R$ 1 milhão pela morte de Garcia, além de cobrir as custas do valor de R$ 20 mil, oferecido para a empregada doméstica, de 39 anos, que executou a vítima e os R$ 2,5 mil à sua amiga de 29 anos, que dirigiu o carro com o corpo até a zona rural de Maringá, no dia do crime.

O genro da vítima resolveu colaborar com as investigações após a reconstituição do crime, ocorrida em 9 de junho. Ele foi até a casa onde vivia com a esposa e filha, de 4 anos. A família não demonstrou interesse em vê-lo.

A situação que a família demonstrou durante a reconstituição, deixou o genro abalado, isso fez ele ajudar nas investigações -, falou o delegado responsável pelo caso, Diego Elias Freitas.

Após a reconstituição, ele apresentou uma nova versão do crime, onde o irmão da vítima seria o mandante. Como prova disso, apresentou uma ligação telefônica feita para o médico, horas depois do crime. A ligação durou apenas 20 segundos, e ele apenas comunicou o médico do ocorrido, com a frase “está feito”, contou Freitas.

O delegado afirmou que já investigava a ligação em virtude de sua duração.

O tempo do telefonema era curto demais, não tinha como dar informações sobre o desaparecimento do familiar, era apenas suficiente para dar um recado simples e direto -, completa Freitas.

As investigações apontam que o médico planejava matar o irmão desde dezembro de 2015, a relação dos dois não era boa e só piorou depois que Garcia descobriu que ele tinha feito vários saques que juntos somavam R$ 1,4 milhão na conta bancária da mãe de 83 anos e do pai falecido, cujo inventário ainda esta pendente.

O médico continua preso na carceragem da 9ª Subdivisão Policial de Maringá, onde encontra-se à disposição da Justiça. Ele responderá pelo crime de homicídio qualificado, podendo pegar de 12 a 30 anos de reclusão.

Foto em destaque: Polícia Civil-PR/Reprodução.

Com informações da Polícia Civil do Paraná.

Gostou deste artigo? Compartilhe com seus amigos! Curta as redes sociais do SarandiPR.com.

Assine ao newsletter do SarandiPR.com e receba notícias, ofertas e novidades em primeira mão. É grátis.

Os comentários não representam a opinião do SarandiPR.com, mas, sim, de seus autores. Os comentários serão moderados para que, assim, nenhum conteúdo de cunho ofensivo, racista ou preconceituoso seja publicado nesta plataforma. No mais, toda opinião é sempre bem vinda.

Comentários

Cite o SarandiPR.com ao reproduzir conteúdos do site.

WordPress / CC 4.0 - Faça uma doação.